quarta-feira, 6 de maio de 2009

BUÁÁÁ! - PRESIDENTE DO PARAGUAI VISITA O BRASIL

"Os presidentes do Brasil e do Paraguai, Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Lugo, voltam a se encontrar em Brasília nesta quinta-feira (7). Marcada inicialmente para o início de abril, a visita oficial de Lugo foi adiada diversas vezes, devido aos poucos avanços nas negociações sobre Itaipu. Mesmo sem uma sinalização concreta por parte do Itamaraty, o governo paraguaio está otimista quanto a um possível acordo entre os países, no que diz respeito à dívida paraguaia e ao preço da tarifa paga pelo Brasil. “Há avanços, mas ainda não foram postos num acordo expresso dos presidentes”, pondera o engenheiro Ricardo Canese, deputado no Parlamento do Mercosul e integrante da equipe de negociação do governo paraguaio. O Paraguai propõe que a compensação paga pelo Brasil pela cessão de energia seja elevada para US$ 500 milhões anuais (atualmente está em cerca de US$ 115 milhões por ano), corrigindo as distorções atuais – a tarifa paga pelo Brasil está abaixo do preço de custo da energia.A primeira oferta brasileira, rechaçada pelo Paraguai, foi a duplicação da compensação, que passaria para US$ 230 milhões ao ano aproximadamente. O Brasil também ofereceu a abertura de uma linha de crédito do BNDES para projetos de infraestrutura, mas o governo paraguaio defende que o financiamento proposto não faça parte do acordo sobre Itaipu. Entre os seis pontos reivindicados pelo Paraguai, já haveria acordo em pelo menos três: conclusão de obras na usina, gestão paritária da entidade e aumento do controle e da transparência. Além do reajuste na compensação, os países ainda discutem a revisão da dívida e o reconhecimento da livre disponibilidade do Paraguai sobre sua parte na energia produzida por Itaipu. Para o governo paraguaio, o acordo depende do reconhecimento, pelo Brasil, da soberania do Paraguai sobre seus recursos energéticos e naturais, não havendo necessidade de modificação do Tratado de Itaipu."

(Agência ALAI)

Um comentário:

Paulo disse...

Já avisei a minha filha,que mora em Brasília: nada de confessionário!